O que significa EMDR?

A sigla EMDR® significa: Eye movement desensitization and reprocessing ou Dessensibilização e Reprocessamento por Movimentos Oculares.

A Terapia EMDR é uma abordagem clínica, considerada um tratamento de nível “A” para o trauma, recomendada pela Organização Mundial de Saúde (2013) para crianças, adolescentes e adultos.

Francine Shapiro, Ph.D. (Califórnia – EUA) desenvolveu o EMDR, há mais de 25 anos, baseada na observação clínica, na investigação controlada, na retroalimentação dos terapeutas que ela treinou e em estudos científicos e acadêmicos prévios sobre o processamento da informação.

Parte-se do princípio que nosso cérebro tem um sistema de processamento de informação, que assim como outros sistemas corporais, é naturalmente estruturado visando à saúde (por exemplo: uma ferida que se fecha e sara).

Quando uma experiência é processada com sucesso, seja ela positiva ou negativa, ela é armazenada de forma adaptativa, integrando-se com outras experiências semelhantes do próprio indivíduo ou de outros.

Porém, quando existe um estado elevado de perturbação, decorrente de experiências adversas de vida, ocorrem rupturas neste sistema de processamento de informações e resultam em memórias que são processadas de maneira inadequada e armazenadas de forma mal adaptativa.

As experiências traumáticas e as necessidades interpessoais, persistentemente negligenciadas durante períodos cruciais do desenvolvimento, podem produzir bloqueios na capacidade do sistema de processamento da informação para resolver eventos traumáticos perturbadores

Estímulos ou informações de situações presentes se conectam (inconscientemente) com experiências no passado, fazendo disparar uma reação no presente como se fosse a mesma experiência do passado.

No decorrer da Terapia EMDR, quando o reprocessamento é bem-sucedido, as memórias até então perturbadoras são neutralizadas e efetivamente integradas a outras experiências similares.

O que for útil é armazenado, ficando disponível para ser aproveitado em experiências futuras. Por outro lado, o que não for mais adaptativo é descartado.

DOENÇAS E PROBLEMAS PESQUISADOS EM POPULAÇÕES QUE FORAM TRATADAS COM A TERAPIA EMDR DE FORMA BEM SUCEDIDA:

  • Fobias (DE JONGH et al., 2002).
  • Transtorno de pânico (FERNANDEZ & FARETTA, 2017).
  • Transtorno de ansiedade generalizada (GAUVREAU & BOUCHARD, 2008).
  • Depressão (HOFFMAN, 2015).
  • Transtorno de Apego (ZACCAGNINO & CUSSINO, 2013).
  • Problemas de conduta e autoestima (SOBERMAN et al., 2002).
  • Dor e luto (SPRANG, 2001; SOLOMON & RANDO, 2007).
  • Distúrbio dismórfico de corpo (BROWN et al., 1997).
  • Disfunção sexual (WERNIK, 1993).
  • Pedofilia (RICCI et al., 2006).
  • Transtornos psicóticos (VAN DEN BERG et al., 2015).
  • Dor crônica (GRANT & THRELFO, 2002).
  • Enxaquecas (MARCUS, 2008).
  • Dor do membro fantasma (DE ROSS et al., 2010; SCHNEIDER et al., 2008).
  • Sintomas físicos inexplicáveis pela medicina (VAN ROOD & DE ROOS, 2009).